Internet nas férias: cuidados que os pais devem tomar

Com tempo livre de sobra, é normal que crianças e adolescentes queiram navegar na web com mais frequência durante o recesso escolar. Afinal, a internet é uma excelente ferramenta de conhecimento (e de lazer) para a garotada, certo?

No entanto, pais e responsáveis precisam ficar bem atentos em relação aos perigos que rondam o mundo virtual. Isso porque ele oferece uma série de riscos para meninos e meninas – a pornografia, caracterizada pela exposição (com finalidade comercial) de práticas sexuais ou de pessoas com seus órgãos genitais visíveis, é apenas um dos crimes praticados no ambiente digital.

Portanto, é fundamental que os pais mostrem aos filhos quais são os espaços que eles podem acessar e fiquem de olho nos computadores e smartphones que as crianças usam para supervisionar os passos delas na internet. Confira abaixo algumas dicas de segurança para fugir das armadilhas virtuais:

* Oriente crianças e adolescentes a nunca disponibilizar informações pessoais (nome, endereço da casa ou da escola, e-mail, números de telefone) na web, principalmente nas redes sociais, nas salas de bate-papo ou em sites desconhecidos.

* Peça ao seu filho que nunca fale com estranhos. Explique que, nas salas de bate-papo, por exemplo, muitos adultos assumem uma identidade falsa para interagir com crianças e adolescentes e praticar crimes.

Com a orientação dos pais, crianças e adolescentes podem aproveitar só o lado bom da internet

Com a orientação dos pais, crianças e adolescentes podem aproveitar só o lado bom da internet

 

* Não permita que o seu filho faça “check in” no Facebook, ou seja, não deixe que ele informe o lugar onde está. Esse cuidado aumenta a segurança no mundo real.

* Proíba o seu filho de mandar fotos ou de ligar a webcam, sobretudo para estranhos. Isso porque há adultos que se fazem passar por crianças e, aproveitando a ingenuidade delas, pedem informações íntimas para usá-las posteriormente de forma mal intencionada.

* Fique de olho nas amizades dos seus filhos. Saber com quem eles conversaram (e qual foi o conteúdo da conversa) ajuda a evitar problemas.

* Se desconfiar que algo ruim está acontecendo, acompanhe o histórico de navegação (disponibilizado pelo Google Chrome e pelo Firefox) diariamente – assim você fica sabendo por onde o seu filho passeou na web e se ele está correndo riscos.

Para saber mais, acesse http://liberta.org.br/perigo-na-web/

Lembre-se: se houver suspeita de crime, denuncie! Basta discar 100, baixar o aplicativo Proteja Brasil ou procurar o conselho tutelar (ou a polícia) da sua cidade. Proteger crianças e adolescentes é um dever de todos nós!

 

<VOLTAR