CAMPANHAS

PROGRAMAS

RODAS DE CONVERSAS:

Lançada em fevereiro de 2018, a Jornada de Rodas de Conversa é um projeto do Instituto Liberta realizado nas diretorias de ensino da rede estadual de Educação de São Paulo. O objetivo dos encontros, que reúnem professores-coordenadores, supervisores de ensino, técnicos pedagógicos, vice-diretores, professores da Escola da Família e professores mediadores de conflitos, é capacitá-los para identificar casos de exploração sexual de crianças e adolescentes e orientá-los a agir de forma integrada no combate ao problema. “Vamos conversar com cinco mil profissionais, que irão mobilizar 200 mil professores da rede estadual”, explica Cristina Cordeiro, diretora adjunta do Liberta e responsável pela condução dos encontros. Ao longo do ano serão realizadas 182 rodas nas 91 diretorias de ensino do estado. A Jornada de rodas de conversa tem o apoio da Columbia University – a ideia é promover uma troca de experiências entre os professores paulistas e americanos para aprofundar o conhecimento no tema.

PAUTA DOS ENCONTROS:

• Apresentação do Instituto Liberta – missão, objetivos e ações de campanha.

• Parceria com a Columbia University para formação e intercâmbio de experiências bem-sucedidas entre os professores.

• Apresentação do vídeo da campanha Números e reflexão a respeito dos dados da exploração sexual de crianças e adolescentes no Brasil.

• Apresentação do vídeo Escolhas e reflexão acerca da raiz do problema, legislação brasileira e os diferentes tipos de exploração sexual de crianças e adolescentes, de acordo com a região do país.

• Apresentação do vídeo Pense Nisso e reflexão a respeito das consequências da exploração sexual na vida das crianças e adolescentes.

• Sensibilização a respeito dos mitos e fatos que envolvem a vida das meninas exploradas sexualmente por meio da leitura de trechos de depoimentos.

• Formas de denunciar e fluxo do atendimento das organizações públicas após as denúncias.

• Mapeamento do atendimento público e de organizações sociais no município.

• Plano de ação para o trabalho em rede contra a exploração sexual. No final do encontro, os profissionais se dividem em pequenos grupos e escrevem uma síntese do tema, ou seja, a mensagem mais importante que ficou na cabeça deles – e que será compartilhada com os demais.

TÁ NA HORA:

• Apresentação do Instituto Liberta – missão, objetivos e ações de campanha.

• Parceria com a Columbia University para formação e intercâmbio de experiências bem-sucedidas entre os professores.

• Apresentação do vídeo da campanha Números e reflexão a respeito dos dados da exploração sexual de crianças e adolescentes no Brasil.

• Apresentação do vídeo Escolhas e reflexão acerca da raiz do problema, legislação brasileira e os diferentes tipos de exploração sexual de crianças e adolescentes, de acordo com a região do país.

• Apresentação do vídeo Pense Nisso e reflexão a respeito das consequências da exploração sexual na vida das crianças e adolescentes.

• Sensibilização a respeito dos mitos e fatos que envolvem a vida das meninas exploradas sexualmente por meio da leitura de trechos de depoimentos.

• Formas de denunciar e fluxo do atendimento das organizações públicas após as denúncias.

• Mapeamento do atendimento público e de organizações sociais no município.

• Plano de ação para o trabalho em rede contra a exploração sexual. No final do encontro, os profissionais se dividem em pequenos grupos e escrevem uma síntese do tema, ou seja, a mensagem mais importante que ficou na cabeça deles – e que será compartilhada com os demais.

BLOG

A pornografia infantil como forma de exploração da criança e do adolescente

Vamos começar pela definição de pornografia infantil, usando, para tanto, as disposições do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990), sendo ela o ato de produzir, reproduzir, dirigir, fotografar, filmar ou registrar, por qualquer meio, cena de sexo explícito ou pornográfica, envolvendo Read More

BIBLIOTECA VIRTUAL

INSTITUCIONAL

SOBRE O INSTITUTO:

O Instituto Liberta nasceu no final de 2016 do desejo de um filantropo, Elie Horn, que como membro do Giving Pledge assumiu o compromisso de doar parte do seu patrimônio pessoal para causas sociais e elegeu como grande missão combater a exploração sexual de crianças e adolescentes no Brasil. O Liberta tem como missão combater a exploração sexual de crianças e adolescentes no Brasil em todas as suas formas.

O PROBLEMA:

A exploração sexual de crianças e adolescentes não é um problema do Brasil, trata-se, infelizmente, de uma questão mundial, como aponta estudo realizado recentemente por organizações internacionais compromissadas com o tema e que resultou em um relatório de referência, o The Global Study Report on Sexual Exploitation of Children in Travel and Turism, que aborda a problemática sobre o ângulo do turismo sexual.
No Brasil, a exploração sexual de crianças e adolescentes tem números assustadores. Da mesma forma é assustador o desconhecimento da sociedade e, quando não nos deparamos com o desconhecimento, enfrentamos justamente a naturalização da situação. Estamos falando de milhares de meninas e meninos que se submetem a uma vida indigna, que vai trazer consequências traumáticas quase insuperáveis. Diante deste quadro, entendemos que o papel do governo e da sociedade civil segue em duas direções: resgatar estas meninas e meninos que já se encontram nesta situação e, sobretudo, evitar que outros ingressem.
O estudo referido aponta para o fato de que uma das estratégias mais importantes para o combate a exploração sexual é justamente a conscientização social. Só assim conseguiremos chamar a atenção de todos e também “desnaturalizar” este comportamento perverso e criminoso.

Enfrentamento do Problema Sabemos da complexidade da questão e que, portanto, qualquer proposta de enfrentamento é também de grande amplitude e complexidade, envolvendo vários e diferentes atores. Acreditamos que o caminho para erradicar a exploração sexual de crianças e adolescentes passa pelos seguintes passos:
– Conscientizar as pessoas da gravidade do problema, desnaturalizando essa pratica em parte incorporada e aceita socialmente.
– Estimular a sociedade a denunciar.
– Trabalhar com o aprimoramento da rede de proteção da criança e adolescente, o que envolve desde a prevenção até a recuperação das criança e adolescentes já cooptados.
– Trabalhar com o aprimoramento do sistema de justiça nesta questão.
– Trabalhar pelo aprimoramento da legislação sobre o tema.
– Melhorar a qualidade da informação e dados sobre o problema.

MISSÃO
ENFRENTAMENTO DO PROBLEMA:

Sabemos da complexidade da questão e que, portanto, qualquer proposta de enfrentamento é também de grande amplitude e complexidade, envolvendo vários e diferentes atores. Acreditamos que o caminho para erradicar a exploração sexual de crianças e adolescentes passa pelos seguintes passos:

. Conscientizar as pessoas da gravidade do problema, desnaturalizando essa pratica em parte incorporada e aceita socialmente.
. Estimular a sociedade a denunciar.
. Trabalhar com o aprimoramento da rede de proteção da criança e adolescente, o que envolve desde a prevenção até a recuperação das crianças e adolescentes já cooptados.
. Trabalhar pelo aprimoramento da legislação sobre o tema.
. Melhorar a qualidade da informação e dados sobre o problema.

Diretora Presidente                                            


LUCIANA TEMER

Advogada, Professora Doutora em Direito pela PUC-SP. Foi Delegada de Polícia, Secretária da Juventude, Esporte e Lazer do Estado de São Paulo e Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social do Município de São Paulo.

Diretora Adjunta:

CRISTINA CORDEIRO

Pedagoga, especialista em educação da infância, foi Secretaria Adjunta de Assistência e Desenvolvimento Social em São Paulo. É Conselheira Municipal da Educação de São Paulo.

Analista de Projetos :

PAULA LOTTENBERG

Administradora pública formada pela Fundação Getúlio Vargas, possui Minor em Relações Internacionais.

PARCERIAS

Para denunciar,
clique aqui, é
anônimo.